Minha Lua


Não deve ser à toa, ou ao acaso, que tudo tem dois lados.

Nosso próprio cérebro possui dois lados que raciocinam de forma complementar e oposta...

Para cada realidade há uma que lhe complemente.

Temos o claro e o escuro, a noite e o dia, a bondade e a maldade, o amor e o ódio, o ruído e o silêncio.

Temos de tudo neste mundo.

E temos o julgamento que nos faz cegos enquanto nos esquecemos da nossa realidade para julgar uma outra que desconhecemos.

Se há um vencedor e um derrotado, é certo que há também uma história por tras desta batalha que muitas vezes desconhecemos.

O merecimento é um desconhecido, não sabemos as implicações que levaram as situações para o ponto onde se encontram hoje.

O que temos de melhor a fazer é observar...

 



Escrito por Menina Lua às 17h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Algumas luas grandes depois, eis que surge, ressurge, renasce, aparece...a vida.

Vida que sou.

Vida que quero.

Vida que vivo.

Vida que amo.

Vida que aceito.

Menina Lua.

Tudo que mude.

Mudo eu.

Mas em minhas mudanças continuo a essência de reinventar-me a cada Lua.

Ainda disposta a mergulhar mais fundo.

Com a profundidade que aprendi...

Salve todos aqueles que me acompanham do astral!

Salve o povo de Aruanda!

Salve o povo da floresta!



Escrito por Menina Lua às 16h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Incrível como a Menina Lua tem falado em mortes né.

Tudo quieto.

Tudo silencioso.

Como o mar.

Antes da onda que vem levar tudo embora pra Yemanjá.

Enlouqueci e esqueceram de me internar.



Escrito por Menina Lua às 15h49
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Sete meses se passaram...

E mais se passariam, acredito eu.

Foi quando um dia pedi à minha velha avó que me ajudasse.

E ela me mandou Nanã Buruquê que me apareceu em muitos sonhos.

Pedi a Nanã que matasse logo o que tinha que morrer.

Eu sou qual Fênix, renasço das cinzas se preciso for. Envergo, mas não quebro. Levo da vida já há muito tempo e não tenho medo das pequenas mortes que existem nos caminhos de todos aqueles que vivem.

Hoje to aqui, com a promessa de que tudo em fim terminou.

Ao que tudo indica finalmente enterraram o cadáver que já estava podre, fedendo, incomodando, fora do lugar.,

Querem me fazer entender que, como a morte leva embora com sua foice o que tem que ir, o que tinha que ir foi embora.

Quero acreditar.

Mas venho nesse blog desacreditado de mim mesma escrever.

Cientificar-me de que se não for bem assim é preciso fazer alguma coisa.

Nanã foi chamada e algo precisa morrer.

E morrerá...

Espero que seja ela.



Escrito por Menina Lua às 22h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Dead line...



Escrito por Menina Lua às 20h52
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O Pai Oxalá protege as criancinhas...

 

 



Escrito por Menina Lua às 20h06
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fui um dia uma criança que queria crescer e conhecer o mundo.

Tinha medos.

Mas o meu maior medo mesmo era de que se confirmasse a previsão dos adultos de que o bom mesmo era ser criança, que a vida de adulto era pior e que quando a gente crescia, sentia falta da infância.

Cresci.

Nunca senti falta daquela bosta.

Só por isso já teria valido a pena a vida.

Fui criança uns vinte anos talvez.

Como fiz quarenta e um anos este ano, vivi mais como adulta do que como criança, graças a Deus. Só por isso já teria sido boa a vida comigo...

Agora grande eu luto as batalhas que tenho que lutar de igual para igual.

Tenho inimigos, mas eles não me amedrontam. Sou grande. Sou capaz de vencer.

Venço o medo. Venço o mal. Venço a solidão. Venço os monstros do mundo e todos aqueles outros que eu mesma crio.

Sofro. Mas sei que toda dor um dia termina.

Sei que não estou só.

Sinto a presença de Deus a meu lado.

E se há dias em que tenho vontade de chorar, sei que não vou morrer por isso.

Vou continuar. Como sempre continuei até hoje.

E se há coisas que eu não entendo no mundo, sei que não estou só, não há ninguém por aqui que compreenda tudo.

Vou descansar de mim um dia.

Até lá convivo com a minha solidão de ser diferente.

De ser insistente em ser como sou.

Quase selvagem.

Primitiva.

Tem dias que eu gostaria de subir em cima de uma montanha bem alta e urrar.

Queria gritar bem alto para que ninguém me ouvisse.

Porque todo mundo está atento ao menor suspiro meu...

Suspiro.

Tem dias em que eu penso que desistir seria doce.

Mas como abóbora não dá cabaça, morro lutando.

Morro correndo.

Morro uivando.

Morro tentando.

Nem que seja tentando me explicar para mim mesma.

Onde estou.

O que faço.

O que quero.

Do que fujo...

Porque insisto.

Porque tento.

Por que quero tanto?

Quero de uma ânsia que me embriaga e me consome.

Quero um querer interminável.

Preciso entender.

E entendendo acalmo o meu coração.

E durmo...



Escrito por Menina Lua às 21h35
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


No fim tudo dará certo.

Essa é a frase da minha vida.

Não poderei, contudo, colocá-la na minha lápide, porque não pretendo ter uma.

Quero ver as minhas cinzas lançadas ao vento...

Começo a acreditar que talvez o fim, onde tudo dá certo talvez seja esse mesmo.

O do vento...



Escrito por Menina Lua às 14h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O INCRÍVEL...

Esse blog completou 5 incríveis anos em janeiro...

Em alguns momentos foi meu amigo, confidente, companheiro.

Em outros esteve vazio, como nesses últimos tempos em que o couro corre solto na minha vida enquanto as páginas aqui estão em branco quase como se não houvesse nada a ser escrito.

Nunca vivi tantas emoções de uma só vez.

Nunca me senti tantas coisas contrárias ao mesmo tempo.

Nunca tive tantas vontades opostas.

E no meio de tudo isso, muitas vezes, qual mula, sou obrigada a parar, arrear a carga, descansar pra depois recomeçar.

Onde quero ir?

O que quero fazer?

O que procuro?

Quem sou eu?

Sou forte, afinal, ou fraca?

Sou boa e gentil e meiga, ou sou megera?

Sou tudo isso e um pouco mais, com certeza.

Mas perdida de mim de tudo nesse momento.

Lutando desesperadamente para pagar o preço de minhas escolhas...

Queria sim poder escrever um pouco mais.

Mas minhas palavras me soam estranhas.

Porque parte minha gosta delas.

E parte detesta.

Porque parte minha sente assim e parte não.

Porque nunca tive sentimentos tão intensos e tão opostos...

Mas.

Continuo.

Como sempre.

Continuo.

Incrivelmente feliz, por mais contraditório que possa parecer.

Com muita vontade de amar.

E com muita vontade de odiar.

E com muita vontade de ter alguém que pudesse simplesmente ouvir a minha raiva e me deixar falar.

Como se não fosse um absurdo total ter raiva.

E como se eu pudesse também ter sentimentos assim, não tão bonitos...



Escrito por Menina Lua às 19h02
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Ontem foi dia de Iemanjá.

Fui pra Santos saudar a mãe.

Foi tudo muito bom.

Presságios alvissageiros.

Voltei contentinha.



Escrito por Menina Lua às 07h42
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Este fim de semana começou a reforma na minha casa...

Pelo jeito vai demorar um pouquinho pq vai ser feita só de fim de semana.

Mas meu quarto tá pronto e ficou bem legal.

Algo me diz que coisas boas acontecerão esta semana pra mim.

Depois do pequeno aborrecimento de ontem, estou feliz.



Escrito por Menina Lua às 09h41
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Há uns momentos na vida da gente em que a festa se passa do outro lado do vidro.

Confesso que não são momentos muito agradáveis.

Vi a vida dos meus irmãos se passar, quando eu era pequena, na casa meus pais, enquanto eu morava na casa da minha avó.

Isso gerou em mim um comportamento estranho de repudiar tudo o que quero e não posso ter.

Sou mulher de correr atrás das coisas que eu quero, o que eu não tenho eu conquisto.

Mas há coisas que eu não sei fazer acontecer.

Fico aqui, do lado de cá do vidro, vendo a festa acontecer do lado de lá.

Quase que de castigo, não posso participar.

Não tem lugar pra mim.

A sensação de que não tem lugar pra mim me faz ter vontade de correr.

Aliás, bem o que vou eu vou fazer agora, correr.

O resto é a vida, querendo me convencer de que não tem problema nenhum ficar do lado de cá do vidro.

Vai vida. Convence quem você acha que pode. Tenta o quanto acha que deve.

Nós sabemos muito bem o que se passa aqui dentro desse velho coração...



Escrito por Menina Lua às 14h31
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fui assistir Sete Vidas.

Aconselho muito.

É uma história maravilhosa.

Triste toda vida.

Chorei.

Mas linda, linda, linda, linda.

Às vezes podemos corrigir estragos de forma menos radical do que nesse filme.

Porque nem sempre basta reconhecer os nossos erros.

Por vezes é preciso fazer alguns sacrifícios para corrigi-los.

Bom é saber que temos tempo e podemos tocar a nossa vida para frente, sem medo da morte.

Como já diria o Renato, somos tão jovens e temos todo o tempo do mundo, mas não temos tempo a perder, temos o nosso próprio tempo.

Meu tempo é agora.



Escrito por Menina Lua às 14h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


E assim foi que 2008 se foi. Com a última gota de água.

Transbordaram todas as represas que havia em mim.

Tudo foi embora.

Mas incrivelmente não me sinto vazia...

Agora, sinto-me capaz de receber o ano que entra com todas as suas possibilidades.

Encerrada a última etapa da minha vida.

Que venha a próxima.

2009 seja bem vindo.



Escrito por Menina Lua às 16h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


É possível que em 2008 eu não escreva mais nesse cantinho.

Os últimos acontecimentos fecharam prematuramente o meu ano.

É sempre triste a partida daqueles que amamos.

E o meu amor pelo meu pai sempre foi um amor conturbado.

Acredito que nos últimos 15 dias conseguimos nos entender por esta existência e sou tão grata a Deus por isso.

Sei que foi uma dádiva divina esses momentos de companheirismo, compreensão, carinho incondicional, apoio, solidariedade. Sei que até aqui isso não tinha sido possível e não sei se teria sido de outra maneira. Sei que foi dolorida a partida para ele, que sofreu 15 dias internado na UTI. Mas confesso que cada uma daquelas meia horas que eu passava diariamente ao lado dele e que, por muitas vezes se extenderam para uma hora, graças à bondade do guarda que sempre me "esquecia" lá dentro, cada uma delas ficará gravada no meu coração com a força da emoção daqueles momentos.

Sendo assim, fechamos para balanço.

Em 2008 nada mais acontece fora de mim.

Tudo são acontecimentos internos.

Agora é um pensar e um sentir tão intenso que todo o resto está sendo parado.

Este mergulhar em minhas entranhas me ajuda a ser quem eu sou.

2009 virá forte, intenso, inebriante, maravilhoso.

Viajo com minha pequena família dia 27 e só volto dia 02.

Deixo aqui registrado o meu desejo de que todos nós que podemos, em 2009 possamos agir, efetivamente, para tornar o mundo em que vivemos melhor. Cada vez que sorrimos, tornamos o mundo melhor. Cada vez que ouvimos um amigo, tornamos o mundo melhor. Cada vez que nos preocupamos e agimos por aqueles que não têm ninguém por eles, tornamos o mundo melhor. Cada vez que mudamos o pensamento de uma pessoa sobre a humanidade, Deus agradece tornando o mundo melhor.

Eu acredito nisso e em 2009 tenho a intenção de continuar sorrindo, dando o meu ombro aos meus amigos que precisarem de um ombro e procurando encontrar uma forma de ajudar aqueles que precisam...gosto de ver o sorriso de Deus no sorriso dos meus irmãos de caminhada, isso tem algo de mágico...



Escrito por Menina Lua às 11h08
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 Augusto
 Edna
 Jady
 Sollario